Arquivos para a categoria Biologia

Sépias

A Sépia é um animal tímido, que têm uma vida tanto diurna quanto noturna, alimentando-se de pequenos seres, como camarões, peixes e outros.

A Sépia é um animal tímido, alimenta-se de pequenos seres, camarões, peixes e outros.

Sépias

As sépias, sibas ou chocos são moluscos marinhos da classe cephalopodes (do grego cabeça com pés), da ordem Sepiida, (o nome do gênero é a forma latinizada do grego, sépia = polvo).
As sépias têm uma concha interna, bolsa de tinta, oito braços e dois tentáculos. O polvo não possui concha enquanto que a sépia e a lula têm conchas internas, mais desenvolvidas na sépia e rudimentar na lula. O polvo tem 8 ou 10 tentáculos.

As Sépias, Sibas ou Chocos são moluscos marinhos da classe Cephalopodes

As Sépias, Sibas ou Chocos são moluscos marinhos da classe Cephalopodes

As Sépias têm uma concha interna, bolsa de tinta, oito braços e dois tentáculos.

As Sépias têm uma concha interna, bolsa de tinta, oito braços e dois tentáculos.

As sépias, possuem a capacidade de se camuflar devido à presença de células chamadas cromatóforos; Os cromatóforos possuem uma capacidade de camuflagem considerada superior à de um camaleão. O talento secreto desses animais para a mudança de cor são esses cromatóforos. Essas células pigmentadas contêm cada uma, três bolsas de cor e dezenas de milhares delas cobrem a pele do polvo. Cada cromatóforo é cercado por músculos que mudam a forma de como o pigmento é mostrado, relaxado ou contraído. Outra característica notável das sépias é a capacidade de mudar sua cor para se camuflar ao ambiente, ela consegue fazer isso em poucos segundos. Os nervos causam contrações musculares que regulam o tamanho dessas células, fazendo com que os animais variem a cor da pele e criem padrões de cor que se modificam.

Elas possuem a capacidade de se camuflar devido à presença de células chamadas cromatóforos

Elas possuem a capacidade de se camuflar devido as células cromatóforas.

Células reflexivas na pele, chamadas iridóforos, acentuam ainda mais as impressionantes mudanças de cor

Células chamadas iridóforos, acentuam ainda mais suas impressionantes mudanças de cor

Células reflexivas na pele, chamadas iridóforos, acentuam ainda mais as impressionantes mudanças de cor, espelhando as cores do ambiente a sua volta. Projeções na pele, chamadas papilas, ajudam no disfarce, mudando as texturas para se misturar mais rapidamente com substâncias como o coral ou a areia.

O manto das sépias se compõe de pele grossa e músculos que protegem os órgãos vitais e equipam de propulsão a jato. Quando os músculos no manto se descontraem, a água entra por meio de uma fenda no pescoço e enche as grandes cavidades internas. Quando o manto se contrai, fecha-se a abertura e força-se a saída da água sob alta pressão por meio de uma passagem semelhante a um funil embaixo da cabeça. Por mudar a direção deste “injetor”, a sépia consegue de modo instantâneo mover-se para frente ou para trás sem se virar.

Projeções na pele, chamadas papilas, ajudam no disfarce, mudando as texturas.

Projeções na pele, chamadas papilas, ajudam no disfarce, mudando as texturas.

Os olhos da sépia são similares ao olho humano, ambos possuem pálpebras, córneas transparentes, câmaras anterior e posterior, retinas, cristalinos, células em forma de bastonetes que permitem as imagens em preto e branco e células em forma de cone registrem as impressões de cores. Os 100.000 receptores por milímetro quadrado no olho da sépia fazem com que seja possível ver até os mínimos detalhes.

A sépia é um animal tanto diurno como noturno

A sépia é um animal tanto diurno como noturno

A sépia é um animal tímido, que têm uma vida tanto diurna quanto noturna, alimentando-se de pequenos seres, como camarões, peixes entre outros.

As sépias capturam suas presas e as matam com um mecanismo com sua boca.

As sépias capturam suas presas e as matam com um mecanismo com sua boca.

Depois que capturam suas presas, elas as matam com um mecanismo na sua boca, semelhante a uma faca, com que retalham suas vítimas.

facebook mcientifica

facebook mcientifica

 

Share this:

, , , , , , ,

2 Comentarios

Vagalume ou Lampyris noctiluca

O vagalume acende sua "lanterna biológica" para chamar a atenção de sua parceira.

Larvas de vagalumes acesas num cupinzeiro.

Vagalume ou Lampyris noctiluca

O vagalume ou Lampyris noctiluca acende sua “lanterna biológica” para chamar a atenção de sua parceira, a intensidade, a velocidade e a frequência dos flashes variam de acordo com a espécie. A emissão de luz para os vagalumes faz parte do comportamento sexual. As cores de suas lanternas oscilam do verde amarelado ao laranja, passando pelo vermelho, cor emitida por um único grupo de coleópteros que só se pode encontrar no Brasil. A intensidade do brilho, a cor emitida e duração da emissão fazem parte de um código de comunicação que permite na escuridão da noite os vagalumes de uma mesma espécie se encontrar para a reprodução.

Os vagalumes são insetos carnívoros, predadores de outros insetos.

Os vagalumes são insetos carnívoros, predadores de outros insetos.

Os vagalume ou lampyris noctiluca são insetos carnívoros, predadores de outros insetos, às vezes canibais como em algumas espécies as fêmeas atraem machos não para se reproduzir, mas para comer, portanto a emissão de luz pode auxiliar na captura do alimento.

Esse fenômeno de emissão de luz é denominado "bioluminescência".

Esse fenômeno de emissão de luz é denominado “bioluminescência”.

Bioluminescência

Esse fenômeno de emissão de luz é denominada “bioluminescência” e diversos organismos possuem essa capacidade de emitir luz. Na definição geral, temos que é “o processo em que luz é produzida por uma reação química que origina no organismo”. A bioluminescência é encontrada principalmente no fundo do oceano, mas vagalumes também possuem esta habilidade. Ambos os sexos de vagalumes fazem uso de um padrão de flash. Alguns animais utilizam bioluminescência para confundir ou assustar predadores além de controlar a cor, muitas lulas, polvos e sépias podem também produzir luz e controlar sua intensidade.

Mas como o vagalume gera a luz?
Pesquisadores nos Estados Unidos descobriram em um trabalho de dois anos que a mesma substância responsável pelo controle da pressão sanguínea que leva à ereção do pênis, o óxido nítrico (NO) é a ligação entre o impulso elétrico emitido pelos neurônios do vagalume e o disparo do flash. A reação química que faz a emissão de luz é interessantíssima. Além do fato de ser algo que chame nossa atenção, é também interessante que 90 a 96% da energia produzida é convertida em luz, e somente de 4 a 10% é convertida em calor, o inverso de uma lâmpada comum!

As luciferases são proteínas compostas por centenas de aminoácidos.

As luciferases são proteínas compostas por centenas de aminoácidos.

Uma molécula de luciferina é oxidada por oxigênio, em presença de trifosfato de adenosina, ocorrendo assim a formação de uma molécula de oxiluciferina, que é uma molécula energizada. Quando esta molécula perde sua energia, passa a emitir luz. Esse processo só ocorre na presença da luciferase, que é a enzima responsável pelo processo de oxidação. As luciferases são proteínas compostas por centenas de aminoácidos e é a sequência destes aminoácidos que determina a cor da luz emitida por cada espécie de vagalume. Este processo é chamado de “oxidação biológica” e permite que a energia química seja convertida em energia luminosa sem a produção de calor.

Vagalume macho femea

Vagalume macho femea

Os vagalumes machos ao voar emitem luz, muitas vezes de forma contínua outras vezes acendem e apagam para facilitar sua visualização, as fêmeas de algumas espécies não voam mas emitem luz para serem localizadas pelos machos, sincronizando seus sinais.  Larvas podem utilizar a luminescência para iluminar o caminho em caminhadas noturnas. Em algumas espécies, uma reunião de larvas de vagalumes podem se agrupar na presença de um predador, um sapo, por exemplo e emitirem um forte feixe luminoso, uma espécie de farol de advertência, compreendido pelo predador como um animal muito grande e talvez perigoso, evitando que a maioria destas larvas sejam mortas .

Larva

Larva do vagalume

Características
O vagalume ou lampyris noctiluca é conhecido também por pirilampo, o vagalume macho mede em torno de 10 mm de comprimento e a fêmea, entre 12 a 20mm. O macho tem duas asas e élitros. Com seu corpo frágil, cor de terra, a fêmea do vagalume não voa. Para compensar a falta de asas, desenvolveu-se algo muito especial durante a evolução do vagalume, pequenas glândulas que segregam luciferina, uma substância que em determinadas condições se torna luminescente. A luz verde é o sinal para que o macho interrompa seu balé aéreo e venha juntar-se à fêmea. Essa diferenciação tão marcada entre os sexos é rara entre os coleópteros. A espécie Lampyris noctiluca é a mais comum no Brasil sua larva luminescente é muito parecida com a fêmea adulta.

Conhecido também por pirilampo, o macho mede em torno de 10 mm de comprimento e a fêmea, entre 12 a 20mm.

Conhecido também por pirilampo, o macho mede em torno de 10 mm de comprimento e a fêmea, entre 12 a 20mm.

Habitat - áreas rurais e urbanas, jardins e matas.
Ocorrência - em todo o Brasil
Hábitos - Os lampejos equivalem ao início do namoro, são os códigos para atrair o parceiro. Mas a luminescência também pode ser usada como instrumento de defesa ou para atrair a caça.
Alimentação - lesmas e caracóis, mas é capaz de comer até criaturas muito maiores injetando-lhe antes um líquido paralisante.
Reprodução - o estágio larval dura seis meses, a maior parte passada debaixo da terra. Ao emitir luz, a fêmea do vagalume corre um risco, pois atrai seus predadores.
Predadores naturais - caranguejos, aves e rãs.
Ameaças - destruição do habitat, poluição e agrotóxicos.

Visão microscópica do vagalume

As lâminas do microscópio nos trazem belas imagens e ressaltam a importância desta ferramenta para o microbiologista no estudo da espécie ajudando a entender melhor como funciona e suas principais características em imagens detalhadamente.

bacterias luminescentes

bacterias luminescentes

vagalume no microscopio

vagalume no microscopio

 

 Os outros nomes do vagalume pelo Brasil 

Vagalume, pirilampo, caga-lume, caga-fogo, cudelume, luzecu, luze-luze, lampíride, lampírio, lampiro, lumeeira, lumeeiro, mosca-de-fogo, noctiluz, pirí-fora, salta-martim, uauá.

facebook mcientifica

facebook mcientifica

 

Share this:

, , , , ,

6 Comentarios

Curta a nossa página no facebook

Curta a nossa página no facebook

Curta a nossa página no facebook

Nós que fazemos o blog da mcientifica criamos uma página no facebook, e por isso gostaríamos de lhe convidar para curtir nosso trabalho através de uma das maiores redes sociais do mundo, curta a nossa página no facebook!!!
O blog da mcientifica tem menos de 1 ano de vida, mas vem crescendo muito bem durante o período desde a sua abertura,  pois sempre é publicado um novo artigo com muita informação para os leitores.
O facebook é gratificante, pois podemos interagir com nossos leitores, ainda podemos divulgar nosso trabalho através da rede social e assim chegar a mais pessoas e os que se identificam com nossa página criada no facebook podem utilizar do recurso curtir a nossa página no facebook, que é um botão disponível na rede social e assim que uma nova postagem for criada, você a recebe automaticamente.

Curta a nossa página no facebook

Curta a nossa página no facebook

Para receber atualizações postadas por uma página do facebook, (basta estar logado), entrar na página escolhida e clicar no botão curtir… Pronto você estará recebendo todas as atualizações do blog da mcientifica nas nossas postagens do facebook essa publicação também será compartilhada com você (basta estar logado). Então, aproveite para conhecer e curta nossa página no facebook clicando no link abaixo:

facebook.com/pages/mcientfica

mcientifica

 

Share this:

, , , , ,

Sem Comentarios

Mcientífica cria sua mascote

Mcientífica cria sua mascote, a origem do termo Personagem, é derivado do latim “persona” que significa máscara, e do grego “prosopon” que significa rosto e é utilizado no teatro como o jogo entre o verdadeiro e o falso. Na antiguidade clássica os atores entravam muitas vezes em cena disfarçados com máscaras que à partida, marcavam a diferença ente o ator (pessoa) e o seu papel a representar, a sua personagem. A mesma raiz etimológica deu origem à palavra pessoa.
Mcientífica cria sua mascoteMcientífica cria sua mascote
O texto narrativo é feito através do diálogo entre personagens. Na verdade, a história é contada através das ações tomadas por eles. Por esse motivo, os personagens são fundamentais para compor uma boa história.
Mas como identificar um personagem? Através de suas ações, como foi dito e também pelos pensamentos, sentimentos e características expostos.

Mcientífica cria sua mascote

Mcientífica cria sua mascote

a) O que faz o personagem? Quem ele é?
b) O que o personagem está falando? Qual o assunto? O que ele quer expressar?
c) O que o personagem está sentindo? Qual a posição dele a respeito do que sente?
d) Quais são as características físicas do personagem?
e) Quais são as características psicológicas da personagem?
f) Em que lugar a personagem está?

A respostas a essas perguntas farão com que entendamos perfeitamente quem é ele e o sentido de suas atitudes.
Talvez o passo mais importante para a criação de um personagem seja o de saber qual é a sua necessidade. O que esse personagem quer? Todo personagem precisa de um objetivo.
Queremos que o observador, o internauta, o espectador sinta ao ver nosso personagem muita alegria. Você vai achar nosso personagem simpático, vai se importar e vai torcer por ele.

Mcientífica cria sua mascote

Tom, o átomo

Mcientífica cria sua mascote, Tom este é o nome do pequeno átomo que agora vai estar a frente dos posts do nosso Blog, das ofertas de nossa loja virtual de produtos de laboratório e dando seus recados no facebook.
A importância de apresentarmos um personagem simbolizando nossa empresa (nosso mascote) é a facilidade de comunicação com o internauta, tornando mais afetiva a convivência diária, concentrando nossa atenção para suas ações nas diversas mídias em que atuamos.

Mcientífica cria sua mascote

Agora é só acompanhar os passos do nosso mascote, Feliz Natal e um ótimo Ano Novo. Dê uma passadinha no nosso site já estamos com o novo layout de Natal.

 

Share this:

, , , , ,

1 Comentario

A Química e a Tatuagem

Provas arqueológicas afirmam que as tatuagens foram feitas no Egito a aproximadamente 4000 e 2000 A.C. e também por nativos de outras regiões, como: Polinésia, Indonésia, Filipinas e Nova Zelândia, estes nativos tatuavam-se em rituais e cultos religiosos em nossa postagem veremos a química e a tatuagem.
Durante a idade média a igreja católica baniu a tatuagem de toda a Europa, sendo considerado pela igreja como uma prática demoníaca.

A Química e a TatuagemA Química e a TatuagemA Química e a Tatuagem

A Química e a Tatuagem como sempre presente a química não poderia estar distante das tatuagens, é a partir dela que surgem as tatuagens. Os elementos de transição possuem a propriedade de formar compostos coloridos, por isso são empregados para muitos fins e surgem as cores das tatuagens.

A Química e a Tatuagem

A técnica utilizada nas tatuagens permanentes consiste em introduzir na derme com o auxilio de agulhas, pigmentos que ficam retidos nas células da pele. Os pigmentos mais comuns e suas cores especificas estão relacionados a seguir:
Óxido de Titânio – Branco
Óxido de Ferro – Castanho, Rosa e Amarelo
Sais de Crômio – Verde
Sais de Cádmio – Amarelo ou Vermelho
Sais de Cobalto – Azul
Sulfeto de Mercúrio – Preto

A cada dia, temos técnicas mais aperfeiçoadas para a composição química e as tatuagens com imagens mais trabalhadas e coloridas. Todas as cores utilizadas são provenientes dos metais de transição, chamados metais pesados. Porém, apesar das concentrações dos metais pesados existentes serem muito baixas, não causando danos imediatos à saúde, é bom lembrar que os metais se acumulam ao longo da vida.

Como foi mostrada a utilização de alguns metais, na pigmentação das tatuagens, também deve ser abordado o tema saúde.
A intoxicação por metais pesados ocorre quando eles são absorvidos pelo corpo humano e passam a substituir alguns metais necessários para as nossas funções biológicas. É importante lembrar que a intoxicação se dá pela ingestão, ao longo da vida. Os metais pesados depositam-se nos tecidos ósseos e gordurosos, não sendo eliminados com o passar do tempo.

A Química e a TatuagemA Química e a TatuagemA Química e a Tatuagem

Com a Química e a Tatuagem aqui estão alguuns problemas causados por alguns dos metais pesados, usados nas tatuagens, no nosso organismo:

Alumínio - Anemia por deficiência de ferro; intoxicação crônica.
Cádmio - Cancer de pulmões e próstata; lesão nos rins.
Chumbo – Saturnismo (cólicas abdominais, tremores, fraqueza muscular, lesão renal e cerebral).
Mercúrio - Intoxicação do sistema nervoso central.
Cobalto - Fibrose pulmonar (endurecimento do pulmão) que pode levar à morte.
Cromo – Asma (bronquite).

A tatuagem elétrica chegou ao Brasil em junho de 1959, através do dinamarquês “Knud Harld Likke Gregersen”, que ficou conhecido como “Lucky Tattoo”. Knud dizia que suas tatuagens davam sorte. A grande popularização da tatuagem nas Américas começou nos anos 70, quando a Califórnia foi o berço dos desenhos que reproduziram imagens de Marilyn Monroe, James Dean e Jimmy Hendrix. Nessa mesma época, os surfistas lançaram a moda de braços decorados com dragões e serpentes.

A Química e a TatuagemA Química e a TatuagemA Química e a TatuagemA Química e a Tatuagem

Alguns Significados
Abelha
: Prosperidade e fartura.
Águia: Símbolo da guerra e da estratégia.
Âncora: É o símboloa da segurança.
Anjos: Mensageiros divinos.
Borboleta: Símbolo de liberdade, metamorfose ou transformação.
Coração: Amor, paixão , amizade, religiosidade, misticismo,.
Corrente: Inteiras simbolizam vínculos com a família ou religião. Quebradas, simbolizam a liberdade
de um aprisionamento físico, mental ou espiritual.
Dragão: Nobreza, magia, transformação, imaginação, perseverança, lealdade, coragem, o dever e honra. Representam os quatro elementos: Ar, água, terra e fogo
Esses são alguns dos significados, me comprometo em encontrar outros e publicá-los em breve.

 

Share this:

, , , , ,

Sem Comentarios

Petróleo do Brasil

O petróleo do Brasil é a realização de sonho de gerações que construiram a base para o nosso progresso. Petróleo vem do latim petroleum, petrus = pedra e oleum = óleo, do grego πετρέλαιον [petrélaion], “óleo da pedra”, do grego antigo πέτρα [petra], pedra + έλαιον [elaion] óleo de oliva, qualquer substância oleosa, no sentido de óleo bruto, é uma substância oleosa, inflamável, menos densa que a água, com cheiro característico e coloração que varia desde o incolor ou castanho claro até o preto, passando por verde e marrom castanho.

Petrobras e BP são líderes globais em energia renovável

Petróleo do Brasil

Petróleo do Brasil – O sonho do petróleo.

A Petrobras é, ao lado da British Petroleum, líder na produção de energia renovável entre as gigantes mundiais do setor do petróleo, informou um estudo da consultoria espanhola Management & Excellence. O levantamento, publicado hoje (9), mostra o desempenho ambiental das dez maiores companhias do setor no mundo todo, por meio de 198 itens, em áreas que vão de economia de energia e redução de desperdício a fontes alternativas de energia e segurança.
A Petrobras foi a segunda, com 75, seguida pela francesa Total, com 74. A Petrochina foi a pior do ranking, com apenas 30.

Petróleo do Brasil

oferta de energia no mundo

Petróleo do Brasil

estimativa de duração do petróleo no mundo

Segundo a M&E, a Petrobras fez investimentos de US$ 1,9 bilhão em modernização ambiental. Já a BP investiu US$ 1,4 bilhão na geração de energia eólica, solar, biocombustíveis e captura de carbono. O economista-chefe e vice-presidente da British Petroleum (BP), Christof Rühl, afirmou que a matriz energética brasileira coloca o país em uma situação de destaque quando comparada à matriz mundial. Além disso, ele prevê que em 2030 a posição do Brasil estará ainda mais à frente dos outros países do globo. “O Brasil tem características muito diferentes do resto do mundo. As fontes não-fósseis vão representar mais de 50% da matriz energética em 2030, em boa parte por causa da grande proporção da hidroeletricidade”, destacou Rühl.

Petróleo do Brasil

plataforma petroleo de Guaricema

As maiores empresas petrolíferas do mundo são:

1 – Exxon Mobil (EUA)
2 – Shell (Holanda e Reino Unido)
3 – Petrobras (Brasil) 
4 – BP (Reino Unido)
5 – Total (França)
6 – Chevron (EUA)
7 – Eni (Itália)
8 – Conoco Philiphs (EUA)
9 – Repsol (Espanha)

No nordeste brasileiro há um grande potencial de petróleo, já existe o poço de Sergipe e a refinaria Premium II do Ceará. Os estudos estão focados na bacia terrestre do Parnaíba onde já encontraram gás  que provavelmente pode ter petróleo, o poço Ogx-16 localizado no bloco PN-T-68, está situado aproximadamente 260 quilômetros de São Luís no Maranhão. A Petrobras aponta perspectiva de gás e petróleo no lado piauiense da bacia do Parnaíba, onde já foram realizados estudos sísmicos. As pesquisas estão acontecendo próximo a Floriano e no médio Parnaíba. O sonho do “petróleo é nosso” se realizou e agora temos que zelar pela qualidade do petróleo do Brasil.

Petróleo do Brasil – Controle de qualidade de combustível

Petróleo do Brasil

Petróleo do Brasil

Como forma de evitar fraudes e garantir a qualidade do combustível, as distribuidoras adotam programas de controle de qualidade parecidos, baseados em substâncias químicas que elas chamam de marcadores. A fiscalização é feita diretamente nos postos, por meio de unidades móveis.
O que o posto deve seguir
Nem todos os postos fazem parte dos programas de suas marcas. Contudo, só podem vender combustível adquirido da distribuidora que representam. Se não tiverem bandeira definida, deverão exibir em cada bomba o fornecedor do combustível.

Petróleo do Brasil

Petróleo do Brasil

Todas as bombas de álcool devem ter um densímetro (tipo de cilindro com corpo transparente), que indica a condição normal do combustível ou excesso de água na mistura.  Para proteger o consumidor, vítima da ação de fraudadores de combustíveis, as Companhias associadas ao Sindicom investem incessantemente em programas de qualidade, aprimorando seus produtos com pesquisa e tecnologia avançada, para assegurarem ao motorista que, nos postos participantes e devidamente identificados, a qualidade é garantida pelo fornecedor e pelo revendedor.
Como ações para combater a adulteração, as associadas ao Sindicom – Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes, contratam institutos tecnológicos, inovam com marcadores e coloração, renovam equipamentos, ampliam frota de laboratórios-móveis, atestam selos de qualidade, treinam pessoal e promovem divulgação para atender ao consumidor. Entre os programas que dão garantias da procedência do combustível, destacam-se: “De Olho no Combustível”, “Gasolina e Diesel Garantidos”, “Garantia de Qualidade”, “Combustível com DNA”, “Programa de Qualidade”, “Programa Combustível Controlado”.

Agência Nacional Do Petróleo, Gás Natural E Biocombustíveis
REGULAMENTO TÉCNICO ANP Nº 1/2007

Os seguintes procedimentos de controle da qualidade dos combustíveis líquidos deverão ser cumpridos pelo Revendedor Varejista quando do recebimento dos combustíveis:

4. O Revendedor Varejista deve possuir e manter calibrados em perfeito estado de funcionamento:
4.1. Os equipamentos necessários à realização da análise relacionadas no item 3, calibrados por laboratório da Rede Brasileira de Calibração.
3.2.3.1. Material:
a) proveta de 1L (um litro), limpa e seca;
b) densímetros de vidro escala 0,700-0,750g/ml e 0,750-0,800g/ml para gasolina e 0,800g/ml a 0,850g/ml e 0,850g/ml a 0,900g/ml para óleo diesel, com menor divisão de 0,0005g/ml;
c) termômetro de imersão total, tipo “I” aprovado pelo INMETRO segundo a Portaria nº 71 de 28 de abril de 2003, com escala de – 10ºC a 50ºC e subdivisões de 0,2ºC ou 0,5ºC;
a) proveta de 1L (um litro) limpa e seca;
b) densímetro de vidro para álcool escala 0,750-0,800g/ml e 0,800-0,850g/ml, ou 0,770 -0,820g/ml, menor divisão de 0,0005g/ml;
c) termômetro de imersão total, aprovado pelo INMETRO segundo Portarias nº 3 de 10 de janeiro de 2002 e nº 245 de 17 de outubro de 2000, com escala de -10ºC a 50ºC e subdivisões de 0,2ºC ou 0,5º C.
Proveta de 1l (um litro), limpa e seca.
a) proveta de vidro de 100 ml graduada em subdivisões de 1ml com boca esmerilhada e tampa;

Share this:

, , , , , , , ,

2 Comentarios

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers